65.478.467
Rolhas recolhidas
476.400
Árvores plantadas

Concurso ‘Galo de Barcelos em cortiça’ – Green Cork Escolas

08.09.2013 - 06.01.2014

O projeto Green Cork desafia, pela 6ª vez, as escolas portuguesas para criarem objetos em cortiça e contribuírem localmente para a promoção da cortiça e da recolha de rolhas de cortiça para reciclagem. Cerca de 1.000 escolas já deram corpo a este programa, onde construíram papagaios, presépios, candeeiros, porta-chaves. etc. Só nesta edição de 2013/14 já participam mais de 150 Green Cork Escolas e cerca de 40 mil alunos.

O tema desta 6ª edição é ‘A cortiça nas tradições portuguesas!’. Apelando ao que mais de português há, lançamos o desafio para as escolas juntarem a cultura e tradições portuguesas na construção de um Galo de Barcelos em cortiça.

Participam neste concurso 16 Green Cork Escolas de todo o país. As fotografias de todos os Galos de Barcelos em cortiça estão colocadas na página do Green Cork no facebook, cliquem aqui para acederem à página.

O Galo de Barcelos mais votado no Facebook do Green Cork até às 14h de 6 de janeiro de 2014, será a nova mascote do Green Cork Escolas.

Votar no ‘galo’ é fácil, basta colocar um ‘gosto’ na fotografia.

O galo de Barcelos é nos dias de hoje considerado um símbolo de Portugal. Em seguida apresentamos uma das lendas que conta como surgiu o Galo de Barcelos.

A lenda remonta ao século XVI e conta a história de um crime sem suspeitos, facto que assustava os habitantes de Barcelos até que um dia surgiu um galego que foi considerado o principal suspeito, sendo preso pelas autoridades. O galego defendeu-se alegando que ia a Santiago de Compostela pagar uma promessa mas, ninguém acreditou nele, sendo condenado à forca. Como último desejo pediu que o levassem a casa do juiz. Novamente alegou a sua inocência, mas continuavam a não acreditar nele. Então o condenado reparou num galo assado que estava pronto a ser comido e disse: “É tao certo eu estar inocente como certo é esse galo cantar quando me enforcarem”. Todos se riram da afirmação mas mesmo assim decidiram não comer o galo. Chegando a hora do enforcamento o galo levantou-se e cantou! Afinal o homem estava inocente. O juiz correu ao local onde o galego estava prestes a ser enforcado e mandou-o soltar imediatamente. Passados alguns anos, o galego voltou a Barcelos e mandou construir um monumento em louvor à virgem e a Santiago de Compostela para lhe mostrar o seu reconhecimento.