65.478.467
Rolhas recolhidas
476.400
Árvores plantadas

Montado de Sobro e o Sobreiral

img0733

O Sobreiro (Quercus suber) é uma espécie florestal autóctone que se distribui pela zona ocidental da região Mediterrânica, onde se faz sentir a influência Atlântica, a qual é essencial em termos climáticos para diminuir as elevadas amplitudes térmicas e a secura estival características do clima mediterrânico.

Estas características ocorrem sobretudo em Portugal, pelo que é no nosso País onde se encontra o óptimo ecológico do sobreiro que se encontra distribuído por todo o território continental nacional, com excepção em altitudes elevadas e zonas com temperaturas muito baixas no Inverno.

Os sobreiros ocorrem geralmente associados em povoamentos, formando os montados de sobro e sobreirais, que são ecossistemas florestais muito importantes tanto em termos ambientais como sócio-económicos.

Encontramos o Sobreiro com alguma frequência a Norte do Tejo em zonas onde dominam também o Castanheiro (Castanea sativa), os Carvalhos alvarinhos ou roble (Quercus robur), o Carvalho cerquinho ou português (Quercus faginea) e o Carvalho negral (Quercus pyrenaica), ocorrendo mais frequentemente no Alentejo e Beira Baixa associado em alguns locais à Azinheira (Quercus rotundifolia) onde forma os montados mistos de sobro e azinho.

No litoral Norte e Centro surge espontaneamente sob coberto do Pinhal, frequentemente com elevadas densidades que constitui verdadeiros povoamentos dominados. Também no interior do País se constata uma boa regeneração natural onde foi instalado nos últimos séculos a grande mancha de Pinheiro bravo (Pinus pinaster), sobretudo após os grandes incêndios florestais que têm dizimado a monocultura do Pinhal, facto que se deve essencialmente à sua adaptação natural ao fogo no ecossistema mediterrânico e também à sua prévia existência enquanto espécie primitiva que ocorria antes da conversão para o Pinhal. A própria casca do Sobreiro, a cortiça é um produto natural extremamente resistente ao fogo que protege a árvore nos incêndios, o que torna o Sobreiro numa das espécies florestais mais resistentes ao fogo.

Texto de Domingos Patacho